Enquanto o PV brasileiro barra a expansão do táxi eléctrico, sucesso em Curitiba, para outos aeroportos, com medo de que as faíscas do carro gerem explosões por causa do ar saturado de vapores combustíveis, os americanos mostram porque ainda são os líderes mundiais.

PRIMEIRA NOTÍCIA

O eléctrico mais veloz do mundo, em produção (ver aqui).

A Inizio Motors, na Carolina do Norte, apresentou um carro eléctrico que é veloz para qualquer parâmetro veicular terrestre, o Inizio, capaz de atingir 170 milhas por hora, cerca de 280km/h,  e fazer de 0 a 100 em parcos 3,4 segundos, menos tempo do que a maioria levou para ler os números.

Projectado por americanos e para americanos, ele pode levar até mesmo jogadores de basquete em seus bancos, que têm um bom gosto raro neste segmento, e contam com mimos como aquecimento e refrigeração. Um luxo. O espaço inteno impressiona ainda mais se considerar que ele anda rente ao chão, mas uma olhada na silhoueta mostra que ele é grande, o suficiente para as pernas da NBA ficarem à vontade… Imaginem as minhas! Como ítem de segurança, com conta da pouca altura,os espelhos retrovisores contam com câmeras que têm 360° de visão, auxiliando o motorista e mostrando melhor quem ficou para trás, comendo poeira.

 A autonomia é de 250 milhas, ou cerca de 415km, suficientes para uma viagem e mais do que suficientes para o uso que a maioria fará deste bolido. As delicadas baterias de íon de lítio só precisam de oito horas para uma recarga completa, e são monitoradas por um sistema de dedicação exclusiva, afinal o trabalho aqui é duro.

Além dos 207cv, a aerodinâmica optimizada contribui para os números impressionantes de desempenho e autonomia. Imaginem o perigo de um carro desses sem um mínimo de ruído.

SEGUNDA NOTÍCIA

Os Fusileiros Navais adoptam os caminhões da Smith Electric (ver aqui)

Dois caminhões, para ser exacto. Eles serão um pouco diferentes do modelo ao lado, pois os Fusileiros terão a liberdade de redesenhá-los ao seu gosto e necessidade. Não um ou outro, mas ambos. Serão entregues ao Camp Pendleton, Califórnia.

O modelo Newton rodará a 55km/h, com cerca de 190km de autonomia, ou seja, para serviços ainda leves, para os padrões dos mariners.

Se eles fucnionarem bem, e a boa fama da marca (ver aqui) é notória nos Estados Unidos, outros serão adiquiridos. A qualidade constructiva já foi atestada pelos compradores civís e eu adoraria que ele fosse produzido por aqui.

Com certeza a área envidraçada será reduzida e o pára-choque dianteiro, com o estribo, embrutecido, já que a aerodinâmica não é tão importante para este uso e ainda hoje é mais fácil ver uma chapa de aço amassada do que uma capa plástica quebrada, a má impressão é muito menor.

TERCEIRA NOTÍCIA

Nasa (here) prepara o projecto de um avião híbrido, entre outros (ver aqui)

Aviões do futuro: NASA mostra seus aviões-conceito

Como proposta da Boeing (here), está em estudo um avião que combina motores turboélice com o auxílio de baterias. SUGAR é um acrônimo para Subsonic Ultra Green Aircraft Research, aeronave de pesquisas subsônica ultra verde.

O banco de baterias seria, se concretizado o avião, trocado a cada aterrisagem, para evitar a espera de uma recarga completa.

Está prevista para voar a march 0,79, cerca de 960km/h, levando cento e cinqüenta pasageiros, com até 6500km de autonomia.

Previsão para ele e os outros (ver link acima)? Até 2050. Desenvolver um avião é mais demorado do que um desenvolver um carro, com a tecnologia de hoje. Mas com os empurrões (e pontapés) que tio Barack está dando, quem sabe nós ainda possamos desfrutar ao menos por uns anos, destas novidades?

Este blog é das poucas páginas em toda a rede que me dão o prazer de uma boa notícia, ainda que temporariamente exclua nosso pobre país rico.

Anúncios