Para quebrar um pouco da sisudez e da severidade do artigo anterior, reuni alguns vídeos de Fuscas e derivados, convertidos para tração eléctrica. Alguns bastante caseiros, outros bem sofisticados, mas todos funcionais e inspiradores.

Kombi 1966 eléctrica com 27kwh de potência a 5000rpm, com a transmissão original aproveitada, arrancando sempre de segunda marcha, ou ela frita pneus que é uma beleza. Autonomia de até 60 milhas, ou 96km. O carro ainda está sendo aperfeiçoado e as baterias estão temporariamente expostas. Máxima estimada de 96km/h, o desempenho normal do modelo quando zero quilômetro.

Como electrificar um Fusca; noções básicas que podem facilmente ser aperfeiçoadas. Provavelmente serão utilizadas baterias chumbo-ácidas, então recomento a Optimum yellow top, que tem até 86% de descarga sem risco de danos, o que a faz render mais kWh na prática, uma de 12v e 75Ah fornece um cavalo-vapor por uma hora sem problemas. Inconveniente: custa por volta de mil reais. Mesmo assim o carro precisará ter pneus mais largos, suspensão, freios e rolamentos reforçados, pois a quantidade de baterias para um desempenho razoável é de no mínimo quinze; cada uma pesa 19,7kg. Se preferir gastar mais e comprar baterias de Níquel-Hidreto metálico, são cerca de sete quilos para cada cavalo de força, com proporcional redução do volume. Consulte um engenheiro que ele acondicionará as baterias de modo mais eficiente e confortável do que no vídeo, que é meramente didático. São indicados pelo autor os sites WWW.rebirthauto.com e WWW.evnetics.com para informações técnicas e equipamentos. 

A seguir outro Fusca, com instalação um pouco mais bem resolvida. Paciência com a vozinha enjoada, o garoto fez tudo direitinho e veio mostrar com a maior boa vontade, uma conversão de custo exeqüível aos pobres mortais, usando baterias comuns. À máxima de 108km/h ele roda cerca de 48km, mas o vídeo é de 2009, de lá para cá tudo barateou e melhorou bastante, dá para arrancar uns 60km a mais de autonomia com o que temos hoje.

Aqui um passeio em um Fusca eléctrico, provando que ele pega estrada sem medo e faz pequenas viagens sem ter custado caro demais:

 

Um Fusca dragaster eléctrico humilhando todo mundo. Aqui as baterias duram pouco, mas mostram tudo de que são capazes, despejando várias vezes mais energia de uma só vez do que fariam em uma vida útil normal:

 

Uma Square Back, equivalente americana à a nossa Variant. Sabe aquela Variantinha parada em algum lugar da peripheria? Pois é…

Aqui um que usou as baterias que eu indico, gastou um pouco mais, mas pôde colocar duas delas ao lado do motor. Além do visual caprichado, o interior e as baterias na cor do carro, o painel é uma demonstração de capricho, e de que carro convertido não tem que ser apocalíptico. Na frente ainda há espaço para duas malas. Foram dez mil dólares, uns dezessete mil reais (lá, é claro, aqui triplica) no serviço. O pouco espaço interno foi preservado. Provavelmente são doze baterias, pelo menos doze cavalos, suficientes para mais de 80km/h.

 

Outro Fusquinha show de bola com trilha sonora:

Anúncios