Se tivessem inventado esse motor nos anos 50!

Pesquisadores da Universidade do Estado de Michigan desenvolveram um motor a combustão revolucionário! O princípio se parece com o de uma turbina, e na prática ele é uma turbina específica para as necessidades de um automóvel, trata-se do motor de ondas de choque. Notícia original aqui.

Basicamente o funciona assim: Um rotor com canais que lembram uma suástica (e quem estudou direito sabe que ela não é invenção nazista, tem milênios de idade) comprime de forma brusca a mistura ar e combustível em uma câmara de combustão, a onda de choque produzida pela rotação desestabiliza e inflama a mistura, que já tem na metaestabilidade uma característica patente. O gás incandescente, sob altíssima pressão, aciona então um rotor que está logo atrás.

A eficiência térmica chega a sessenta por cento, enquanto a média do motor à gasolina é de quinze; O motor à etanol rende um pouquinho mais. A expectativa é reduzir em até noventa por cento as emissões com uso do motor de ondas de choque, já que o consumo de combustível é irrisório se comparado aos motores de pistões alternantes, o motor comum do teu carro. Outra vantagem é o facto de ele dispensar engrenagens de câmbio, já que sua arquitetura permite gerar torque quase que imediatamente, quase como nos motores eléctricos, ou seja, seria só instalar uma ré e montar a maquininha directo no diferencial. Outra vantagem, segundo os pesquisadores: dispensa refrigeração. Como? Aproveitando mais energia do que desperdiça, assim resta pouco calor para a carcaça dissipar, e mesmo este eu creio que pode ser aproveitado por um turbo-alternador de alta rotação.

Um carro comum pode emagrecer cerca de quatrocentos quilos com esta criação, claro que foi tomado o padrão de carro americano, que geralmente usa um V6 ou V8 com transmissão automática e um pesado cardã mandando força para as rodas traseiras. Em um ovinho europeu, como é a maioria dos carros vendidos no Brasil, de duzentos a trezentos quilos é uma faixa de alívio plausível. Só o Fusca, cujo motor a ar mal chega a cem quilos, é que emagreceria menos.

Por que eu estou falando de algo que poderia atrasar o avanço dos eléctricos e híbridos? Simplesmente porque não pode. Vamos falar a sério, um motor eléctrico muito ruim rende fácil mais de oitenta por cento do que consome em energia, um novo de alta eficiência e última geração, como os sem escovas, rende próximo dos cem por cento. Isto não é lenda, está à venda nas boas lojas de ferragens e assistência técnica do ramo. Então fica fácil perceber que é melhor usar o motor de ondas de choque como extensor de autonomia.  Há também o caso das usinas termo eléctricas. Vocês precisam saber algo sobre elas, se a maior parte da frota fosse convertida para electricidade, e estas usinas usadas em massa para suprir a demanda, haveria redução de emissões. Como? Milagre? Não, fiotes. Os motores de usinas são estacionários, eles são construídos para funcionar em uma faixa estreita de rotação, fica muito mais fácil regular e balancear um motor assim, que acaba sendo mais eficiente do que os motores automotivos à combustão. Outra cousa, usinas são estacionárias, então podem se valer de instalações imensas, pesadíssimas e frágeis, tudo o que é proibido em um automóvel, para tratar e até reciclar os gases de exaustão.

O próximo passo é construir um modelo de cerca de 25kwh, ou 34cv, para testes em um automóvel. Aos preparadores de plantão, eu dou a boa notícia: Sempre se pode pré-comprimir o ar para gerar mais potência neste motor revolucionário. Se vocês procurarem os pilotos de autorama, também descobrirão que há vários meios de envenenar um motor eléctrico, usando de truques que tornariam a produção muito lenta e cara. Vocês ainda vão marombar um Volt.

Vídeos a respeito, cliquem aqui.

Recapitulando, motor à combustão gerando energia polui menos. Um motor de ondas de choque, com instalações impensáveis em um automóvel, gerando energia, quase limpa o ar.

Acredito também que o etanol e o metanol sejam mais próprios para esse tipo de motor. Acontece que há uma diferença entre o combustível e a mistura ar-combustível. A gasolina sozinha é muito mais energética do que o etanol, mas a mistura ar-etanol é tanto quanto ou mais energética do que a ar-gasolina, se for homogênea  e bem comprimida. Quanto mais compressão, mais favorável se torna o uso do etanol, e a pressão na câmara do motor de ondas de choque me parece ser absurdamente alta; um dos prováveis protagonistas da eficiência térmica.

De onde saiu a pequena maravilha: Here. Quem apóia oficial e declaradamente o projecto: Here and here. Pena que chegou tarde para o Chrysler Turbine! Esta beleza aqui.

Anúncios