German cars! I'm be back!

Chega de carros sem graça, pequenos e que mais parecem customizações de Chevrolets!

Chega de levar surra de BMW! Chega de levar surra de Lexus! Chega de levar surra de Hyundai! Chega de ser preterido em seu próprio país!

A Cadillac recebeu sinal verde da General Motors para voltar a desenvolver seus próprios carros. Isto não é novidade. O problema é que muita gente tinha, com razão, medo que a necessidade de redução das emissões apagasse o pouco brilho que restava ao brasão da cidade medieval de Cadillac.

Estreou em Peeble Beach o protótipo Ciel, um enorme conversível (aqui, aqui, aqui e na página da GMC aqui) com 3,17m de entreeixos. Suas portas têm aberturas opostas, sem coluna central, ou seja, com elas abertas forma-se o vão de dois metros ou mais, que permitiria até a passagem de um Ômega por dentro do carro, quanto mais de pessoas.

Para enfrentar os novos tempos, porém, teve que abrir mão do V8 assim como precisou abandonar o V16 na crise de 1929. O propulsor apresentado é um estúpido V6 biturbo de 3,6l e 425hp@ e 59,45kgfm. O mais impressionante, e que justifica este artigo: Um propulsor auxiliar eléctrico da melhor qualidade o torna um híbrido.

As medidas precisas são de 5,17 comprimento, 1,96 de largura, 1,27 de altura; provavelmente, pela comparação com os ocupantes, é a altura da carroceria. As rodas são de aro 22″, que dão ao conjunto um ar de batmóvel super luxo.

Uma vez que o XLR (US$ 100.000,00) saiu de linha, especula-se que a produção do Ciel se dará em breve; o que torna ainda mais oportuna sua apresentação aos abonados que expõe e competem em Peeble Beach.

Algo que não se pode deixar de notar é a estrutura do pára-brisas, muito semelhante à dos Rolls Royce conversíveis. Permite uma excelente aerodinâmica, assegura um grande reforço contra capotamentos e dá o toque de sobriedade pertinente. Aliás, pelo que foi investido no interior, com tudo da máxima qualidade, a Rolls que se cuide. Se a Maybach está deixando a peteca cair, a Cadillac quer recuperar o prestígio roubado pela especulação no comando da GM.

Preço, consumo e desempenho não foram divulgados, pois os dois primeiros não importam ao comprador de um carro desses, e o terceiros sempre foi ponto de honra da Cadillac, ainda mais com 425cv!

Se querem babar mais, vejam aqui uma bela galeria de imagens do Ciel.

E todo mundo pensando que o ELR, ou Electric Luxury Ride (aqui, aqui  e aqui),  primo rico do Volt, fosse a única novidade o brasão auro-rubro. Não que seja ruim, é um Cadillac. O coupé deve estrear em 2014, com as mesmas soluções do Chevy, mas por enquanto a autonomia decepciona, são cem quilômetros a menos que a do hatch; 400km combinando baterias e gasolina. Os motores eléctricos rendem 150cv cada. Galeria do ELR, clique aqui. O motor utilizado para extensão de autonomia será um quatro em linha com 1,5l, 100cm³ a mais que o Volt.

Para mais sonhos, que ainda são de graça cliquem na página da Cadillac aqui. Querem saber qual eu compraria? Se fosse rico o bastante para comprar um carro desses, poderia trazer os dois.

Anúncios